Open/Close Menu dentista lauro de freitas, clínica odontológica lauro de freitas, cirurgião dentista lauro de freitas, dentista vilas do atlântico, cirurgião dentista vilas do atlântico, odontologia lauro de freitas, odontologia vilas do atlântico; odontologia, clínica odontológica, perfecta, perfecta odontologia, dentista, implantodontia, ortodontia, cirurgia, endodontia, periodontia, odontopediatria, prótese, prótese dentária, estética, clareamento dental
cirurgião dentista lauro de freitas

É possível sobrevida de pacientes com câncer bucal, com detecção precoce. Mas é preciso mais: atendimento, tratamento e conscientização desde cedo sobre os riscos da doença.

Por Zaíra Barros

A população brasileira precisa ser esclarecida sobre os riscos que potencializam o câncer bucal e suas consequências para a saúde integral do ser humano. Noventa por cento dos casos da doença têm como causa o cigarro e o alcoolismo e juntos os dois vícios aumentam em mais 141,6 a probabilidade do câncer progredir na cavidade oral. O registro anual de 14 mil novos casos e a morte de 4 mil pessoas poderiam ser evitadas, pois a detecção do câncer aos primeiros sinais oferece de 80 a 90% de chance de cura, e de sobrevida para esses pacientes.

A necessidade de campanhas de informação sobre o assunto câncer bucal é inquestionável, porém elas deveriam ser constantes e envolver entidades e a iniciativa privada, hospitais especializados, a educação básica – com a promoção da saúde em escolas, para evitar desde cedo que o vício se instale entre crianças e jovens. Em outra ponta, há a necessidade de agilidade na rede pública de saúde para o atendimento e tratamento dos casos confirmados de câncer bucal.

Sem esse dedicado envolvimento nacional de todas as esferas – promoção da saúde, educação, cursos de odontologia, entidades e governo – essa trágica doença vai continuar ceifando 4 mil vidas a cada ano. O protagonista deste esforço nacional na direção da saúde bucal e de salvar vidas por meio do diagnóstico precoce do câncer bucal é o cirurgião-dentista.

CÂNCER BUCAL: EM 2030, SERÃO 10 MILHÕES DE MORTES NO MUNDO

O Brasil ocupa o nada honroso 3º lugar de maior incidência de câncer bucal no mundo, atrás apenas da Índia e da República Checa. E São Paulo é o Estado campeão, com mais de 3 mil novos casos a cada ano.

Os 14 mil novos casos brasileiros de câncer bucal/ano e as 4 mil mortes decorrentes dessa doença, evitáveis se diagnosticadas a tempo do tratamento, são apenas um vislumbre para um período não tão distante: em 2030, daqui a 15 anos, serão 10 milhões de mortes no mundo.

O CÂNCER BUCAL NO MUNDO

  • Mais de 1 bilhão de adultos no mundo é fumante, fator de risco para o câncer bucal
  • Morrem 4,9 milhões/ano ou 10 mil pessoas a cada dia por causa do câncer bucal
  • 43% das mortes por este tipo de câncer são causadas pelo consumo de tabaco ou álcool, maus hábitos alimentares, estilo de vida e HIV
  • São afetados principalmente homens entre 35 e 69 anos
  • O tabagismo é considerado pela OMS a principal causa de morte evitável em todo o mundo
  • O fumante passivo é a 3ª maior causa de morte evitável no mundo, subsequente ao tabagismo ativo e ao consumo excessivo de álcool

Fonte: Organização Mundial de Saúde (OMS)

FUMO E ÁLCOOL SÃO RESPONSÁVEIS POR 90% DOS CÂNCERES BUCAIS

Estima-se que 43% das mortes por câncer no mundo são devidas ao fumo e seus derivados, má alimentação, drogas, infecções e vida sedentária. O fumo associado ao uso excessivo de álcool tem sido responsável

por 90% dos cânceres da cavidade oral. Consumidos juntos, aumentam os riscos dessa patologia em 141,6 (Fundamentos da Odontologia – Estomatologia, 2ª Edição). Recentemente, a Agência Internacional para Pesquisa do Câncer (IARC, a sigla em inglês) confirmou a evidência que também o cigarro eletrônico contém substâncias cancerígenas, ou seja, apresenta o mesmo risco do cigarro comum.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o uso de todos os tipos de fumo disponíveis no mundo, incluindo o cigarro, aumentam significativamente o agravamento de muitas doenças bucais como o câncer, gengivites, perda prematura dos dentes, mau hálito, redução da sensibilidade olfativa e do paladar. Há muitos tipos de tabaco disponíveis incluindo os cigarros manufaturados, enrolados, de mascar e todos eles são viciantes e danosos à saúde.

83% de homens com câncer são ou foram fumantes

Ainda de acordo com o Inca, o fumo e o álcool estão entre as principais causas do câncer bucal. E o Instituto de Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) aponta que 83% dos homens com câncer de cabeça e pescoço, aí incluído o câncer bucal, são ou foram fumantes.

Dos pacientes tratados, 60% são vítimas de tumores localizados na boca e 40% na faringe ou laringe.

Os principais fatores de risco para o câncer bucal são o fumo, ingestão de bebidas alcoólicas, infecções por HPV, principalmente pelo tipo 16, e exposição à radiação UVA solar (câncer de lábio).

Fatores de risco e protetores

  • Uma pessoa que fuma tem que ficar 10 sem fumar para voltar à mesma condição de um paciente não fumante e o sinergismo desses hábitos leva também, além do câncer bucal, ao da faringe, laringe e esôfago
  • O álcool potencializa 9.2 o risco de câncer bucal
  • Carne grelhada, frituras, pimentas, uso do fogão a lenha são fatores de risco para o câncer bucal. Tomate, cenoura, alface, vitamina C e betacarotenos são importante na proteção conta a doença. Frutas são fatores tênues de proteção (Aguilar, 2002)
  • Fatores ocupacionais: trabalhadores na agricultura (pesticidas), indústrias de tecidos (corantes, ácidos), pescadores e marinheiros de pele muito clara estão sujeitos a apresentar grande número de casos de câncer bucal
  • Má higiene bucal: riscos de 1,3 a 2, 6 vezes maior em pacientes com higiene bucal precária

Fonte: Fundamentos da Odontologia – Estomatologia, 2ª edição

Uma pequena parcela da população que tem acesso a esse tipo de informação, vital à prevenção da doença. Por isso a necessidade constante de informação sobre saúde bucal.

Desenvolvido por Engatilhar